As armadilhas da internet móvel

Com o surgimento de equipamentos portáteis, como notebook, tablet, smartphone, etc, surge a facilidade de se acessar internet de qualquer lugar, o que trás comodidade e praticidade em tarefas como compras on line, comunicação por e-mail, redes sociais, transações bancárias e outras .

 

O mercado de internet móvel aumentou consideravelmente nos últimos anos. Segundo a Revista Exame, “A notícia recente de que o brasileiro já utiliza mais o aparelho celular do que o computador pessoal para acessar a Internet não impressionou quem acompanha as estatísticas de uso de celular no Brasil. Afinal, o número de acessos em banda larga móvel já supera em muito o de banda fixa. Considerando acessos 3G e 4G, a banda larga móvel fechou o ano de 2015 no Brasil com 191,8 milhões de acessos, contra 25,4 milhões em banda larga fixa.”.[1] Esse aumento se deu em virtude da adoção da tecnologia 3G (terceira geração de tecnologia)  que possibilita uma conexão mais rápida e eficaz.

 

De olho neste mercado, as operadoras contratam personalidades famosas para seus comerciais prometendo inúmeras vantagens.

 

Com o aumento do mercado aumenta também as reclamações, onde as principais são falta de cobertura 4G, velocidade abaixo da contratada, e constantes quedas de conexão.

 

Por isso, antes de contratar um serviço de internet móvel, tome as seguintes precauções:

 

1) PESQUISE – não tenha pressa e entenda o que está contratando. Existem vários planos com diversos preços. Tome cuidado! Algumas operadoras oferecem preço baixo porque a conexão não é rápida ou existe limite de tráfego de dados, que ao ser ultrapassado gera cobranças desvantajosas;

 

2) TESTE – procure saber com vizinhos qual operadora possui sinal 4G na localidade. Veja se há possibilidade de testar o serviço antes de contratá-lo, evitando surpresas desagradáveis. O Poder Judiciário vem determinando a realização de testes de conexão e de sinal antes da operadora efetuar a venda ao consumidor;

 

3) VERIFIQUE – alguns sites oferecem gratuitamente análise da velocidade de conexão com a internet. A velocidade deve ser aquela oferecida pela operadora, não sendo admitida a alegação de velocidade variável ou nominal. Se a empresa oferece determinado serviço prometendo determinada velocidade esta oferta deve ser cumprida;

 

4) RECLAME – se a conexão está lenta ou precária, se desconecta constantemente  ou apresenta outros problemas não hesite em reclamar. Contate a operadora tomando o cuidado de anotar o número do protocolo de atendimento para servir de prova em eventual ação judicial. As operadoras são obrigadas a fornecer número de protocolo. Existem aplicativos que gravam as ligações que também podem ser usadas como prova;

 

5) CANCELE – se o serviço possui defeitos o consumidor pode cancelar independentemente de prazo de fidelidade. Neste caso não aceite pagar nenhuma multa. A empresa não pode cobrar multa quando o serviço não é prestado de forma adequada;

 

6) PROCURE SEUS DIREITOS – caso não consiga resolver junto a operadora, procure o PROCON mais próximo. Se ainda assim não resolver procure um advogado para mover uma ação para cancelar o contrato independente de pagamento de multa, podendo ainda pleitear indenização por eventuais danos morais.

 

Se você gostou do artigo ou essa informação foi útil para você clique em "Curtir o artigo" e compartilhe com seus amigos nas redes sociais para que essa relevante informação chegue a outras pessoas. Você também poderá fazer comentários ou indicar temas para novos artigos logo abaixo.

 

 

 

 

[1] Revista Exame, disponível em http://exame.abril.com.br/negocios/dino/estatisticas-de-uso-de-celular-no-brasil-dino89091436131/

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Curtir o artigo
Please reload

Outras notícias

Please reload

Arquivo

Please reload

Siga-nos

  • Grey Facebook Icon
  • Grey LinkedIn Icon

©2016 por Fabiano Macário - fabianomacario.adv@gmail.com

whatsapp-icone.png